Busca por Mês

Projeto Educativo

método pedagógico

O Escotismo é um movimento educacional de jovens, que com base no Projeto Educativo criou um método pedagógico eficiente, que compreende:

  • Aceitação voluntária do compromisso;
  • Aprender fazendo;
  • Vida em equipe;
  • Atividades progressivas, atraentes e variadas;
  • Desenvolvimento pessoal com orientação individual.

Todas as atividades pedagógicas ajudam a desenvolver no jovem mais disciplina e o seu compromisso para com Deus, com o próximo e consigo mesmo.

Com base nesses valores, desejamos que os jovens que tenham sido Escoteiros façam o seu melhor possível para ser: um homem ou uma mulher reto de caráter, limpo de pensamento, autêntico em sua forma de agir; leal, digno de confiança.

Escotismo: atualidade pedagógica com mais de 100 anos.

projeto educativo

Para alcançar nosso propósito, utilizamos o Método Escoteiro, que constitui um todo onde se
combinam diversos componentes:

A adesão à Promessa e à Lei Escoteira

O principal elemento do método é o convite pessoal a cada jovem, em um momento determinado de
sua progressão, para que formule sua Promessa Escoteira. Por meio deste compromisso, o jovem
aceita livremente, diante do seu grupo de companheiros, ser fiel à palavra empenhada e fazer o seu
melhor possível para viver de acordo com a Lei.

A Lei escoteira é um instrumento educativo em que estão expressos, de maneira compreensível para
as diferentes faixas etárias, os princípios que nos guiam.

Este compromisso será um ponto de referência em cuja direção se projetará toda a vida de um jovem.

A aprendizagem pelo serviço

Como expressão dos princípios sociais do Movimento, o método escoteiro é propício a que os jovens
assumam uma atitude solidária, realizem ações concretas de serviço e se integrem progressivamente
ao desenvolvimento de suas comunidades.

Além de contribuir para resolver um problema ou para aliviar uma dor, o serviço é uma forma de
explorar a realidade, de conhecer a si mesmo, de descobrir outras dimensões culturais, de aprender
a respeitar aos demais, de experimentar a aceitação e o reconhecimento do meio social, de construir
a auto-imagem e de estimular a iniciativa em direção às mudanças e à melhoria da vida em comum.

A aprendizagem pela ação

Outro componente essencial é a educação ativa, em que os jovens aprendem por si mesmos, por
meio da observação, do descobrimento, da elaboração, da inovação e da experimentação.

Esta aprendizagem não formal permite viver experiências pessoais
que interiorizam e consolidam o
conhecimento, as atitudes e as habilidades.

Desta maneira, e do ponto de vista cognitivo, se substitui a simples
recepção de informação pela
efetiva aquisição de conhecimento; no domínio da afetividade, se substitui a norma imposta pela
norma descoberta e a disciplina exterior pela interior; e, no campo motriz, a passividade receptiva
do destinatário cede lugar à criatividade efetiva do realizador.

Um sistema de equipes

Um fator fundamental do método é a vinculação a pequenos grupos de jovens de idade semelhante.
Estas equipes de iguais aceleram a socialização, identificam seus membros com os objetivos comuns,
ensinam a estabelecer vínculos profundos com outras pessoas, geram responsabilidades
progressivas,
proporcionam autoconfiança e criam um espaço educativo privilegiado para que o jovem cresça e se
desenvolva.

Uma sociedade de jovens

Os pequenos grupos e as demais estruturas oferecidas pelo Movimento para que os jovens se
organizem em torno de sua proposta educativa e desenvolvam suas atividades por si mesmos,
fazem lembrar uma sociedade de jovens.

Nela se observam órgãos de governo e espaços para a participação, assembléias e conselhos que
ensinam a administrar divergências e a obter consensos, organismos de tomada de decisões de
interesse coletivo ou individual, equipes executivas que impulsionam à ação e fazem com que as
coisas aconteçam. Uma escola ativa que incorpora a aprendizagem da convivência, da democracia e
da eficiência à vida cotidiana.

A quantidade, o tamanho e o nome dessas estruturas procuram responder às necessidades que
decorrem das características do jovem nas diferentes etapas do seu desenvolvimento.

A aprendizagem pelo jogo

O jogo oferece excelentes oportunidades para experimentar, aventurar, imaginar, sonhar, projetar,
construir, criar e recriar a realidade.

É, portanto, uma ocasião de aprendizagem significativa que o método escoteiro privilegia como um
espaço para experiências em que o jovem é o protagonista. No jogo ele desempenhará papéis
diversificados, descobrirá regras, se associará com outros, assumirá responsabilidades, medirá forças,
desfrutará de triunfos, aprenderá a perder, avaliará seus acertos e seus erros.

Um sistema progressivo de objetivos e atividades: o Programa de Jovens.

A expressão mais visível e atraente do método escoteiro,
onde se integram em absoluta harmonia
todos os seus outros componentes, é seu variado programa de atividades, que representa para o
jovem uma oferta coincidente com seus interesses e dentro da qual eles escolhem o que desejam fazer.

Estas atividades permitem aos jovens extrair experiências pessoais que levam à conquista dos
objetivos que o Movimento lhes propõe para as diferentes etapas do seu desenvolvimento.

Os objetivos se encaminham progressivamente para o cumprimento do projeto educativo do
Movimento, se baseiam nas necessidades do desenvolvimento harmônico dos jovens e se ajustam a
suas possibilidades nas diferentes idades.

As atividades propostas significam desafios que estimulam o jovem
a se superar, permitem experiências
que dão lugar a uma aprendizagem efetiva, produzem a sensação de haver tirado algum proveito e
despertam o interesse por desenvolvê-las. Por isso dizemos que são desafiantes, úteis,
recompensantes e atraentes.

Pode ser incorporada ao programa de jovens toda atividade que reuna essas condições. O programa,
por sua vez, é construído, realizado e avaliado com a participação de todos, mediante formas de
animação que variam segundo as diferentes etapas de progressão.

A vida ao ar livre

A vida ao ar livre é um meio privilegiado para as atividades escoteiras.

Os desafios que a natureza apresenta permitem aos jovens equilibrar seu corpo, desenvolver suas
capacidades físicas, manter e fortalecer a saúde, ampliar a criatividade, exercitar espontaneamente sua
liberdade, estabelecer vínculos profundos com outros jovens, compreender as exigências básicas da
vida em sociedade, valorizar o mundo, formar seus conceitos estéticos, descobrir e se encantar com a
ordem da Criação.

O método escoteiro propõe aos jovens Integrar essas experiências a seus hábitos freqüentes e a seu
estilo de vida, recuperando continuamente o silêncio interior e retornando sempre aos ritmos naturais
e à vida sóbria.

Um marco simbólico

O método também apresenta aos jovens um conjunto de elementos simbólicos que incorporam a
riqueza dos símbolos e integram o ambiente de referência próprio do Movimento. Estes símbolos
motivadores estimulam a imaginação, ajudam a promover a coesão
em torno dos objetivos
compartilhados, asseguram o senso de pertencer a um grupo de iguais e destacam paradigmas que
se oferecem como modelos a imitar.

Cada uma das etapas de progressão se relaciona a um marco
simbólico próprio, que se adapta à
capacidade imaginativa e às necessidades de identificação de cada faixa etária.

Um cerimonial para celebrar a vida

O desenvolvimento progressivo do jovem é destacado por meio de diversos atos que comemoram sua
história pessoal e a tradição comum, além de traduzir a alegria da comunidade pelo progresso de cada
um dos seus integrantes. Pelo cerimonial se renova o sentido do símbolo, se reforça a unidade do
grupo e se cria o ambiente propício à reflexão em torno dos valores que permeiam a atividade de todos
os dias.

A presença estimulante do adulto

No processo de crescimento dos jovens, o educador adulto, permanecendo como tal, se incorpora
alegremente ao dinamismo juvenil, dando testemunho dos valores do Movimento e ajudando os jovens
a descobrir o que não poderiam descobrir sozinhos. Este estilo permite estabelecer relações horizontais
de cooperação para a aprendizagem, facilita o diálogo entre as gerações e demonstra que o poder e a
autoridade podem ser exercidos a serviço da liberdade daqueles a quem se educa, dirige ou governa.